Elas se renovam a cada dia.

 

Decidi mostrar ao mundo,

O quão próximo estou dele,

Ao andar com o coração à vista, exposto, totalmente aberto.

 

Decidi mostrar à vida,

O quão íntimo sou dela,

Ao me deixar rolar, correr, fluir, junto com as águas desse misterioso rio.

 

Decidi mostrar ao céu,

O quão entregue estou a ele,

Ao contemplar o brilho, a escuridão, o sopro, a mansidão, o indecifrável.

 

Decidi mostrar a mim mesmo,

O quão confortável sou comigo hoje,

Ao me olhar, me acolher, me abraçar, me compreender, me escutar, me entender, me tocar, me entreter, me acalmar, me proteger, me brincar, me aprazer. Me distrair. Para me soltar, e me reerguer. Me deixar dormir. Para me relaxar. E me recolher. Para me expandir. Nesse mar sem fim.